Curiosidades

O Perfil Dos Estrangeiros Que Se Casam Com Americanos

casamentos americanos e brasileiras
por pmillera4 via flickr

Qual o perfil dos estrangeiros que se casam com americanos? Sabemos que amor não vê cara nem passaporte. Nunca se sabe se um dia você vai se deparar com o amor da sua vida em Bali e ele/a acaba sendo estrangeiro/a.

E além das dúvidas sobre casamentos inter-raciais, um dos temas prevalentes no blog é o dos casamentos interculturais. No nosso caso, obviamente, de um brasileiro ou brasileira com americano ou americana.

Temos certo fascínio por esses tipos de histórias e elas acontecem com cada vez mais brasileiros e brasileiras. Essa história aconteceu comigo e foi assim que vim morar na terra do Tio Sam e conheço outros conterrâneos/as que passaram por casos similares.

Por que americanos se casam com estrangeiros?

Claro que há diversos motivos que levam um americano/a a escolher um cônjuge de outro país. Pode ser uma simples questão de gosto pessoal? Pode. Pode ser por uma noção (errada) de que mulheres latinas são submissas e passivas mas ao mesmo tempo super femininas? Também. Pode ser algo tão superficial quanto achar sotaques estrangeiros sexy?

Tudo é possível e essa é outra motivação dentro dos ramos das possibilidades, mas independente das razões que levam americanos e americanas a buscar ou se casar com estrangeiros, os números indicam que esse tipo de casamento tem crescido nas últimas décadas.

O aumento no número de casamentos multiculturais  nos Estados Unidos:

Embora a porcentagem de casais nos quais ambos cônjuges americanos ainda seja maior de todas, com o aumento do número de imigrantes no país, consequentemente a possibilidade de americanos conhecerem, se envolverem e se casar com estrangeiros também é maior.

Esses tipos de casamentos, estão chegando perto dos números de casamentos entre duas pessoas estrangeiras dentro dos Estados Unidos. O qual vem em segundo lugar depois dos casamentos de americanos entre si.

Sim, há brasileiros que se mudam para outro hemisfério e acabam conhecendo e se casando com… outros brasileiros ou com nacionais de outros países. Das brasileiras que conheço e que são casadas, por exemplo, a maioria é casada com latinos, seguidas das casada com brasileiros, depois as casadas com americanos e a minoria casadas com europeus. Nenhuma que conheço com asiático, africanos ou pessoas da Oceania.

Fiz uma pequena pesquisa com os fãs no facebook que moram nos EUA e o resultado foi que 100% dos respondentes eram casados com homens sendo que desses 71,43% são casados com americanos, 14,29% com latinos e a mesma porcentagem de casados com europeus, 0% com asiáticos e os demais.

42,86% dos respondendes conheceram seus cônjuges online! Outro tipo de relacionamento que tem aumentado com tanta disponibilidade de tecnologia. Não houve diferença na porcentagem de respondentes que se conheceram dentro dos EUA e no Brasil.

Essa foi uma enquete pequena, mas segundo uma pesquisa do Censo Americano com dados do American Community Survey de 2011, dos 115 milhões de lares americanos, 48% eram de pessoas casadas e dessa porcentagem, 14% tinham pelo menos um cônjuge nascido no exterior.

  • Dos casados, a maioria ainda é de americanos com americanos (79,5%)
  •  13,2% onde ambos cônjuges são estrangeiros e
  •  7,4% de casais compostos de um americano/a mais um estrangeiro/a.

A probabilidade do cônjuge estrangeiro ser mulher é de 55% comparado com 45% de ser homem. Desses cônjuges estrangeiros, 61% eram naturalizados e o restante não naturalizados (39%).

Locais de origem dos cônjuges estrangeiros:

Das origens de nascimento:

  • a maioria (40%) eram nacionais da América Latina e do Caribe
  • 26% da Europa
  • e 23% da Ásia

Porém há diferença entre a quantidade de cônjuges asiáticos dependendo do sexo do cônjuge (mais mulheres do que homens).
Você pode confirmar isso no infográfico do visto K-1 (de noiva/o) que consta dados mais recentes do USCIS sobre as nacionalidades mais tiram esse visto, muitos dos países no topo do ranque são asiáticos. Embora eles não listem o sexo dos beneficiários dos vistos.

Em que estados os americanos mais se casam com estrangeiros?

O Havaí tem a porcentagem mais alta de casamento intercultural. Esse estado tem uma história multicultural e influência asiática forte, então não é surpreendente que eles liderem a lista dos estados americanos nos quais o número de casamentos de americanos com estrangeiros seja alto, especialmente os de origem asiática.

Outros estados com porcentagem de casamentos interculturais acima da média nacional incluem a Califórnia (outro estado com fortes raízes asiáticas e hispânas), Nevada, que por sua vez possui forte influência latina, e o District of Columbia.

Estados americanos perto da média nacional: Nova Iorque (que é um caldeirão de nacionalidades), Connecticut, Nova Jérsei, Califórnia, Flórida, Texas e Arizona. Esses últimos que são mecas para estrangeiros de origem latina e do Caribe.

 

Em que estados americanos casamentos multiculturais têm menos possibilidades de acontecer?

Se usarmos os dados como indicação, o Mississippi (que surpresa!) Dakota do Sul e West Virgínia. Esses estados são famosos por já não serem lá muito, digamos, inclusivos de imigrantes para começo de conversa.

Mas se você é casado ou casada com americano ou americana e vive em um desses estados, fique a vontade para contar sua experiência com o assunto nos comentários abaixo e não se esqueça de dizer como seu relacionamento é visto pelos seus vizinhos. Seria muito interessante e informativo saber disso.

Inclusive, há tempos estou em busca de brasileiros que moram nesses 3 estados. Se você vive em algum deles (ou já morou neles) e queira contar sua experiência de vida (mesmo não sendo casado com americanos) saiba como participar nessa página.

 

perfil estrangeiros casados com americanos

O perfil dos estrangeiros casados com americanos:

Outros dados de um artigo do International Migration Review (IMR) que consta com dados de diversos departamentos governamentais americanos com ênfase nas origens e o impacto dos casamentos multiculturais nos Estados Unidos, mostra não somente que esses casamentos têm aumentado mas delineia um perfil dos imigrantes que mais se casam com americanos nativos:

  • Eles tendem em sua maioria ter nível educacional mais alto.
  • Eles tendem a entrar no país mais jovens.
  • Eles tendem a falar inglês melhor melhor.
  • São imigrantes de países que têm bases militares americanas.

 

Estudos recentes do Migration Policy Institute confirmam que imigrantes recentes nos Estados Unidos possuem nível educacional mais alto. Veja abaixo:

Quanto às raças dos cônjuges:

Ainda sobre os resultados da mesma pesquisa do IMR:

40% de imigrantes homens e brancos tem esposas americanas. Um quarto dos imigrantes é casado com americanos e os imigrantes que mais tendem a se casar com americanos e americanas são brancos.

Imigrantes do sexo masculino e negros tem maiores chances de se casar com americanas do que imigrantes negras.

O oposto ocorre com imigrantes asiáticos, como mostrado pela na pesquisa citada anteriormente nesse texto, a maioria dos estrangeiros casados são mulheres asiáticas.

Em geral a probabilidade de um imigrante homem se casar com uma americana é maior contando todas as raças, exceto pelos asiáticos.

O papel das forças armadas, instituições de ensino superior e tecnologia:

perfil dos estrangeiros casados com americanos
por Bright Drops via flickr

 

No caso das imigrantes, se o marido delas for militar as chances dele ser americano aumentam significantemente. 28% das imigrantes são casadas com americanos e 25% dos imigrantes são casados com americanas militares.

Ou seja, alistamento nas forças armadas americanas também é um grande indicativo de casamento multicultural, embora mais para americanos do que para americanas alistadas.

Segundo os dados quanto mais jovem o imigrante é quando se muda para os Estados Unidos, maiores as chances de adaptação na sociedade americana e consequentemente de se casar com americanos nativos. O aumento no número de estudantes intercambistas americanos em universidades em outros países e de intercambistas estrangeiros em universidades americanas facilita esse tipo de casamento.

O artigo não divagou muito sobre dados de namoros online mas afirmou que novas tecnologias de comunicação certamente conectarão mais pessoas de países diferentes.

Resumindo, os imigrantes com maiores probabilidades de se casar com americanos são jovens, mais estudados e que por essa razão possuem certas vantagens e maior possibilidade de subir de vida devido ao nível educacional mais alto.

 

Referências: 
American Census ASC 2011-2016 IMR: International Migration Review

6 comentários sobre “O Perfil Dos Estrangeiros Que Se Casam Com Americanos

  1. Amor não tem cara e nem passaporte, ok, mas as diferenças culturais devem ser muito bem pesadas ao se envolver com um estrange iro. Vez por outra é noticiado o caso de brasileiras que se casam com estrangeiros, separam-se e eles levam os seus filhos para os países de origem. Diferenças culturais assim como de renda, não podem ser ignoradas porque não tem amor que resista à uma rotina diária de opressões e arestas que não foram bem aparadas. Casamentos dos sonhos onde a plebeia casa-se com um príncipe encantado e vivem felizes para sempre existem apenas nos contos de fadas.

  2. Concordo, Emerson e foi isso que escrevi no artigo sobre pontos difíceis no casamento com americanos e também no post sobre a reflexão que brasileiras/os que estão prestes a se casar com americanos/as tem que fazer antes de se casar e histórias de leitoras casadas com americanos, algumas delas não fazem parte do “felizes para sempre”.

    O ponto do artigo não é se o casamento vai dar certo ou não, nem quais os motivos que levam americanos a se casar com brasileiras. Os dados não acompanham os casamentos para saber quantos deles ainda estão intactos.

    Mas sim, concordo com você que se casar com estrangeiros, americano ou não, não é fácil e não é para qualquer um (tem gente que fica irada quando digo isso mas é verdade). Da mesma forma que tem gente que não se acostuma a morar nos EUA, tem gente que não consegue manter um relacionamento com americanos devido às diferenças culturais e expectativas dentro do relacionamento.

  3. Excelente artigo! Gostei também do seu comentário, Emerson. Devemos tomar muito cuidado! Há alguns meses, venho me correspondendo com um americano que mora em Atlanta, e vamos nos encontrar aqui no Rio, durante as Olimpíadas. Por enquanto, estamos levando tudo numa bela amizade e prefiro assim. Não sei se essa amizade vai evoluir para um namoro, mas se não evoluir, pelo menos já ganhei um amigo.

  4. Eu achava que Utah teria bastante casamento de gringo com brasileiras, conheço muitas que casaram com ex-missionários.

  5. Sou casada com americano, nos conhecemos no Brasil e moramos em Oklahoma. Não tive grandes dificuldades em me adaptar a nada. Acho que isso se deve ao fato de eu ter viajado e morado por todo canto do Brasil durante a infância, adolescência e pequena parte da vida adulta, cada região do nosso Brasil é um Brasil diferente e isso me ajudou bastante a enfrentar mudanças na minha vida. Eu não gostava de me mudar e hoje vejo como se tivesse sido um treinamento para o tava me aguardando. Não sofro preconceito com vizinhos ou outros americanos, eles só notam que não sou americana quando abro a boca. Rsrs. Diferenças culturais existem sim, mas pra mim são detalhes e não incomodam nem a mim, nem ao meu marido e mto menos atrapalha nosso relacionamento. Ele ama o Brasil e aprendeu a falar português. É a língua que falamos em casa.
    Achei interessante esse artigo e gostaria de ter tido a oportunidade de ter participado dessa enquete.

Faça parte da conversa: