O Processo Do Visto De Trabalho (L1)

Dusted office

A entrevista de hoje é com o Flyner Portugal, ele possui um canal no youtube e vai começar uma série sobre visto de trabalho, que é como ele veio para cá. Para saber mais visite o canal Lá Nos EUA no youtube ou o site dele aqui.

Veja o que ele tem a nos dizer sobre como é o processo do visto de trabalho e dicas para os brasileiros interessados em tentar trabalhar nos Estados Unidos:

 

V.N.E.: Como você conseguiu seu visto de trabalho?

Flyner Portugal: Nossa, pergunta pequena, mas com resposta enorme. Primeiro vamos distinguir. Existem 2 tipos de visto de trabalho acessíveis a pessoas normais, digo isso porque os outros são para pessoas de alto renome ciêntífico, artistas, trabalhadores religiosos, vistos temporários e etc. Então os vistos acessíveis a qualquer um são o H1, e o L1.

O H1 é o visto que é usado quando uma empresa dos EUA, quer trazer alguem do exterior para o EUA, nesse caso você consegue uma vaga na empresa, e a empresa te trás.

No meu caso eu tenho o L1, que é o visto de transferência dentro da mesma empresa, eu trabalho em uma empresa multinacional e achei uma vaga em um cliente nos EUA, me candidatei a essa vaga, e como tinha muito tempo que a vaga estava aberta e não conseguiam pessoas com experiência para esse trabalho, resolveram me dar uma chance.

Fiz todo o processo como se fosse uma pessoa sendo contratada, ai depois disso a empresa deu entrada no visto. Após o visto sair eu vim pra cá.

V.N.E.: Recebo muitos e-mails de leitores que começam assim “quero qualquer tipo de trabalho nos EUA, como consigo o visto de trabalho?” Você poderia nos dizer quais os requisitos mínimos (porém estritamente necessários) para se conseguir o visto de trabalho para os Estados Unidos?

F.P.: Bom essa é uma pergunta que sempre recebo também, e a resposta dela é meio chata. Durante as minhas pesquisas percebi que não são todas as áreas profissionais que tem a possibilidade de conseguir visto de trabalho.

Em resumo os EUA exige  que a pessoa possua alto conhecimento em alguma área específica. Nas pesquisas que fiz quando eu tentava vir, constatei que as áreas com mais possibilidades são Ciências e Tecnologias, para ser mais específico a área de Tecnologia da Informação é a mais quente, e sendo mais específico ainda, a maior demanda são para Programadores (Desenvolvedor de Softwares).

Além de  possuir conhecimento especializado, o cadidato deve possuir um Bacharel na área que vai atuar, ou conhecimento equivalente. Essa equivalência pode ser feita por uma empresa reconhecida aqui nos EUA.

No meu caso eu fiz equivalência de estudos. A regra é que para cada ano que você não estudou você tem que ter 3 anos de experiência comprovada.

Ex: Eu fiz um curso tecnólogo de 2,5 e meio, então eu tive que comprovar 4,5 de experiência na minha área. Quem fez todo o processo de equivalência de estudos foi uma acadêmica, você precisa achar uma empresa pra te trazer, esse é o primeiro passo. Eu sou formado em Tecnologia de Redes de Computadores e atuo nessa área.

V.N.E.: Qual é o tempo de espera por um visto de trabalho para os Estados Unidos e o que o interessado pode fazer em relação ao processo durante esse período de espera?

F.P.:  Pergunta interessante. Para o visto L1, visto de transferência, o processo é o mesmo que o visto de turismo. Você perde muito tempo mesmo conseguindo a documentação necessária. Eu levei uns 2  meses e meio, para o processo de visto, fiz a ultima entrevista do emprego em maio e comecei a trabalhar em setembro, esse tempo foi gasto em coisas burocráticas, mas o processo de visto é rápido para visto L1.

O visto H1, que é quando a empresa te traz sem você ter vínculo com ela anteriormente é super demorado. Não é um visto que você pode dar entrada qualquer época do ano.

Ele abre inscrições em abril, e a pessoa só pode começar a trabalhar em outubro. Sendo que em abril é quando a empresa que irá te trazer vai dar entrada na documentação para avaliação, ou seja, muito antes disso a empresa já tem que está disposta a te trazer.

Ex. Você começa a fazer entrevistas em janeiro, fecha com alguma empresa em fevereiro, fica março providenciando documentação para dar entrada no “pedido de visto” em abril. Depois disso o governo americano vai analisar seu processo, e as vagas são limitadas.

Quando o número de aplicações é maior que o número de vagas, acontece uma loteria. Em 2014 foram mais de 175 mil aplicações para 65mil vagas (fonte), as inscrições abriram dia primeiro de abril e dia 10 de abril foi o sorteio, tenso né?

V.N.E.: Quanto se gasta em média num processo de trabalho?

F.P.:  Bem infelizmente eu não tive acesso aos custos totais, os que tive acesso foram: taxas dos vistos que foram 700 doláres, mas viagem para São Paulo para fazer a entrevista.

Somado a isso tem o custo com a empresa de advocacia  para fazer todo o processo e no meu caso ainda tive que pagar uma empresa para fazer validação do curso.

Mas tudo isso fica por conta da empresa que está te trazendo. Veja o porque da dificuldade de conseguir um visto de trabalho, além da demora tem os custos, ou seja, a empresa realmente tem que precisar de você.

V.N.E.: Que nível de inglês a pessoa precisa ter para conseguir um visto de trabalho? Há algum teste de proficiência que é preciso ser feito para que a pessoa obtenha o visto ou não?

F.P.:  Não existe teste. Essa pergunta sempre me fazem e a resposta que dou  é: O nível de inglês que você precisa é o nível de português que você usa para trabalhar no seu dia a dia.

Imagina o seguinte: Você vai fazer uma entrevista, como faz aí no Brasil (na verdade mais difícil), nesse processo você tem que falar de si e de suas habilidades.

No dia a dia de trabalho você irá precisar, participar de reuniões, entender,  explicar e resolver problemas. Ou seja você tem que ter esse nível de Inglês para lidar no dia a dia. Uma coisa que eu fazia.

V.N.E.: Que dicas daria sobre a proficiência em inglês?

F.P.:  Não existe teste de Inglês para trabalho, mas eu aconselho a fazerem o Toefl, todo lugar que você for estudar aqui vai exigi-lo eu não fiz ainda mas pretendo fazer.

V.N.E.: Como funciona a questão do pedido do visto? Quem é que abre a petição e quem é que contrata o advogado que vai cuidar do caso?

F.P.: A empresa que vai te levar que faz todo o processo, você reúne o que eles pedirem e passa para eles e eles passam para o advogado.

Por isso que tanto se fala de “sponsor” (patrocinador), você tem que ter uma empresa que vai te patrocinar, e a empresa tem que provar que pode te patrocinar.

Todo o processo é feito por uma empresa, por um advogado. O meu papel foi reunir toda a documentação que foi pedida, comprovante de formação acadêmica e de experiência. Mas no final das contas quem faz tudo é a empresa de advocacia.

V.N.E.: Como é a entrevista para o visto de trabalho? Que dicas você daria para quem está ansioso esperando pelo dia da entrevista no consulado?

F.P.: No meu caso o processo foi rápido e indolor, a entrevista foi super tranquila igual uma entrevista para visto de turismo. O que eu aconselho é que a pessoa responda com tranquilidade e não fale nada a mais do que foi perguntando. Não fale nem menos nem mais, seja direto e mostre segurança.

V.N.E.: Quais as possibilidades de se obter o green card através do visto de trabalho e quanto tempo em média dura o processo?

F.P.:  Uma das vantagens dos vistos de trabalho, é que a qualquer hora a empresa pode pedir seu green card por trabalho.

Mas isso gera mais custo para a empresa, ou seja, a empresa tem que querer pedir seu green card.

O processo do green card é demorado, e pode levar até 3 anos, a única condicional é a empresa querer fazer isso por você.

V.N.E.: O que mais te surpreendeu (as diferenças) e o que menos te surpreendeu (aquilo que você esperava que seria diferente de alguma maneira mas que não é nada especial) em relação ao dia dia de serviço numa empresa americana?

F.P.:  Até agora está tudo tranquilo, e em relação ao serviço não tem nada de excepcional.

A grande diferença daqui para o Brasil é a intensidade do trabalho. Aqui não tem esse conceito de  “bater ponto”, temos hora pra entrar e para sair, mas é flexível, com o que eles mais se importam é com “tarefas completadas”. Inpendente do tempo que vai levar, se você tem uma meta basta cuprí-la, mesmo que você chegue mais cedo e saia mais tarde ou leve serviço para casa. Basta cumprir metas.

Outra coisa diferente é que quase todos os lugares tem restaurante dentro da empresa ou muito próximo, e eles não tem “Horário de almoço”, a maioria do pessoal aqui, vai no restaurante compra  a comida e volta para a estação de trabalho e come enquanto trabalha, quando a pessoa come no restaurante é no máximo 15 minutos.

Estou gostando disso, a sensação que tenho é que estoueevoluindo na questão de fazer as coisas mais rápido e com mais intensidade.

Bem… Muito obrigado pela oportunidade, estou fazendo essa série de vídeos no canal que comecei recentemente onde vou compartilhar de forma detalhada sobre os vistos de trabalho e como consegui-los.

Acaba aqui a entrevista com o Flyner. Agradeço a ele pela colaboração e por ter respondidos a algumas das maiores dúvidas que interessados em trabalhar nos EUA possuem.

Você está no processo de visto de trabalho para os EUA ou já passou por isso no passado recente? Gostaria de partilhar sua experiência com os demais leitores do blog? Então deixe seu comentário abaixo.

  [Crédito imagem]

 Também quero morar nos EUA!

Gostou do Post? Compartilhe!

More about Lu

Brasileira casada com americano. Moro nos EUA há mais de uma década.

26 thoughts on “O Processo Do Visto De Trabalho (L1)

  1. matheuspalma1

    Muito bacana! cheguei aqui atraves do twitter de vocês, é muito bom ter um site que reúne essas informações !

  2. Lu

    Muito obrigada, Matheus. Apareça sempre!

  3. Felipe

    Oi Lu, sou novo por aqui, aliás conheci o blog hoje hehe.

    Vi que formou-se em Redes de Computadores,(Uhullll),meu curso tem a mesma duração(agora um pouco mais, pois como mudei de faculdade terei q fazer 3 anos) eu sou graduando em Redes de Computadores também e formo-me em Abril de 2015.
    Sempre quis morar aí na terra do tio sam, mas como não tenho muitas condições financeiras, a única maneira que encontrei para ir foi como “male au pai” e pretendo ir assim que concluir a faculdade de Redes.

    Gostaria de tirar uma dúvida, como é o mercado de Redes por aí? visto que as grandes empresas (leia-se cisco) são dái. É muito difícil conseguir um emprego nessa área sendo imigrante? há alguma dificuldade maior por eu estar indo como male au pair?

    Parabéns pelo blog, conheci hoje e ficarei ligado nos próximos posts.

  4. Flyner Portugal

    Felipe,
    Seguinte é a Autora do Blog hehehe.

    O Entrevistado que é formado em redes de computadores. No caso eu 😛

    Então, você vindo como Au Pair, acredito eu que isso é temporário, trabalho temporário.

    Para trabalhar aqui você tem que ter visto de trabalho, vindo como Au Pair você não consegue migrar para visto de trabalho. Tem que ser visto H1b ou L1b.
    Os 3 ultimos vídeos que fiz explica sobre isso.
    https://www.youtube.com/user/flynerp

    Dá uma olhada lá.

    O Mercado aqui é muito bom

  5. Lu

    Ola Felipe,

    Obrigada pela participacao!

  6. Cezar Thiago

    Oi Lu, tudo bem? Adorei seu blog, muito bom gosto e proatividade nas informações.

    Tenho uma dúvida sobre o visto H2B para profissionais sem nível superior.
    Qual o nível de dificuldade pra conseguir? Meu inglês é intermediário.
    Tenho um amigo americano em Charlotte, NC e pretendo ir para lá no que vem.
    Desde já gradeço.

  7. Felipe R. Oliveira (@coefelipe)

    Olá ,

    Agradeço o retorno.

    Então, sim, a ideia é ficar como male au pair por 1 ano.

    Ex: Mas caso eu fique 1 ano como male au pair e nesse tempo eu faço uma entrevista em alguma empresa e seja selecionado, eu não consigo um visto de trabalho?

    Abçs.

  8. Lu

    Felipe,

    Mesmo se isso fosse possível, você ainda teria que retornar para o Brasil e esperar pelo visto de trabalho lá já que o processo é consular.

  9. Lu

    Olá Cezar,

    Primeiramente obrigada por acompanhar o blog e pela participação. Sinceramente não sei te informar. Sei que como o Flyner disse acima, as áreas de maior demanda são as que pertencem ao visto de trabalho especializado.

    Mas você pode ver mais sobre isso no site do USCIS.gov e no site do consulado americano no Brasil, ambos websites falam dos processos e o que é preciso para conseguir todos tipos de vistos, incluindo o que te interessa no momento.

    Como saber se você tem chances? Bem, você fala inglês (nível intermediário) o que já ajuda, agora para ver o resto pesquise nos sites acima que você verá se você é o que patrocinadores do visto de trabalhadores sem nível superior querem.

    Se seu perfil bater, por que não tentar? Se o perfil não bater, você tem duas opções: Ou você dá um jeito de conseguir o que os patrocinadores exigem e tenta o visto ou você procura se informar sobre os demais vistos e quem sabe outro seria mais adequado para seu caso.

    De qualquer maneira, sucesso para você!

  10. Flávia Pereira

    Ola! Adorei conhecer o site!

    Tenho uma dúvida: meu marido trabalha numa multinacional com sede em Houston, no caso dele solicitar visto de trabalho para os EUA, o meu visto é concedido na medida que o dele é aceito ou são processos diferentes? Se nesse caso eu conseguir o meu posso trabalhar também ou apenas acompanha-lo?

    Abs e obrigada!

  11. Lu

    Olá Flávia,

    Obrigada por ler o blog. É um processo só, você vem como acompanhante dele. Não sei se você poderá trabalhar, um dos vistos de trabalho permite que os acompanhantes trabalhem, outro não. Vocês tem que verificar qual o tipo específico do visto de trabalho e ler mais sobre ele no site do consulado americano no Brasil e no site do USCIS.gov na seção de vistos de trabalho. Sucesso para vocês!

  12. Anibal Nascimento

    Lu, parabéns! Muito legal o site! Está me ajudando muito. Tenho umas dúvidas, se puder me ajudar ficaria muito grato!
    1) Estou sendo contratado por uma empresa americana e me qualifico para conseguir o visto O1, já que tenho muitas publicações em revistas de alto fator de impacto na minha área, além de citações dos meus papers em revistas de mesma qualidade. Entretanto, pedi a eles o O1, mas devido aos custos mais altos a empresa quer fazer minha aplicação para o H1.
    2) Sei que minha esposa não poderia trabalhar nos EUA, nem com o H2 e nem com o O3, mas o que preciso saber é se o grau de dificuldade para depois conseguir o Green Card seria menor tendo o O1 em relação ao H-1. O que você acha? Daria para topar o H1 mesmo? Ou complica as chances de conseguirmos o Green Card para ela poder trabalhar depois?
    Muito obrigado!

  13. Lu

    Olá Anibal,

    Obrigda pelo comentário. Olha, não sei te dizer ao certo. Não sei muito das diferenças entre esses dois tipos de vistos e como conseguir o O é mais raro, dificilmente ouço a respeito também. Acho que ficaria difícil se voce insistisse no visto O, por que se a empresa mesma disse que corta os gastos… O lado do investimento monetário é muito importante para eles já que o processo para um visto H já não deve ser lá muito barato. Mas essa é minha opinião.

    Infelizmente a questão do green card através de trabalho fica nas mãos da empresa decidir. Se o empregado estrangeiro mostra que é tudo que a empresa precisa, um asset, como eles costumam dizer aqui, a probabilidade do green card é maior, caso contrário fica difícil prever. Você poderia tentar entrar em contato com o entrevistado do artigo, o Flyner, já que ele veio para cá com visto de trabalho e sabe os pormenores do assunto.

    Mas recomendo também que você fique atento às notícias de imigração e nos sites oficiais americanos pois depois do que o presidente anunciou no fim do ano passado muitas coisas podem mudar a respeito dos benefícios dos vistos de estudante e da categoria de trabalho temporário também. Quem sabe até lá não fica mais eficaz e rápido, além de mais flexível, conseguir o sonhado green card através desses vistos?

    Sucesso!

  14. Ana Maria

    Olá tudo bem?

    Por favor me tira uma dúvida eu procurei no blog mas não encontrei. Eu sou técnica em Analises clínicas, tenho só o curso técnico trabalho aqui no Brasil com isso. É possível trabalhar nos estados unidos com esse curso, na mesma área? Trabalhar em laboratório de análises lá precisa ter nível superior ou eles podem aceitar também o técnico?

    Obrigada!

  15. Lu

    Olá Ana Maria,

    Tenho links para você fazer sua pesquisa sobre o assunto:

    Requisitos Educacionais
    BOC

    Sucesso!

  16. igor alcantara

    Moro e trabalho nos EUA e tenho o visto H1, sendo que meu Green Card está para sair. O que posso dizer sobre o texto é que ele é completo, exato e detalhado. Enquanto eu lia, eu pensava: “nossa, comigo foi exatamente assim também”.

    Muito bem escrito, preciso e informativo. Parabéns!

  17. nathalia demarchi

    Olá, adoro seu site!
    Estou com uma dúvida sobre o L1. Espero que possa me ajudar!
    Minha família tem uma padaria tradicional no Brasil. Trabalho nela há bastante tempo e nós estamos querendo abrir uma filial em Orlando.
    Eu estou em Orlando como turista há 4 meses e vou extender meu visto para mais 6 meses, pois me disseram que eu não posso ser contratada se eu estiver sem status no país.
    Como seria o trâmite para eu conseguir o visto L1 e greencard dessa forma?
    Obrigada 🙂

  18. Lu

    Olá Nathalia,

    Infelizmente não sei.Recomendo que você procure se informar sobre como proceder com um advogado (advogado não notário) de imigração com especialização em vistos de trabalho. Sucesso para você e sua família.

  19. Marcus

    Oi Lu,

    Não sei se ainda responde neste tópico .

    Gostaria de saber que empresa você conhece que valida o tempo de experiência para bacharel ?

    Sou Tecnólogo, e preciso de bacharel para uma empresa nos EUA.

    Obrigado.

  20. Lu

    Oi Marcus, pelo que sei a empresa que quer te contratar deveria ter te dado uma lista com as empresas que fornecem esses serviços e que eles recomendam… Conheço empresas que fazem equivalencia de diplomas (ou seja de diploma brasileiro para a grade americana) agora não sei se elas oferecem esse tipo de equivalência (ou seja, de experiência para diploma). Se quiser, te passo o nome de algumas ou você pode perguntar para quem está tomando conta do processo em nome da empresa, o RH ou o advogado que está cuidando do processo. Me avise se quiser os nomes

  21. Carla da Silva Andrade

    Adorei as publicações e estou pesquisando sobre a vida na Flórida, tenho um casal de amigos na flórida e gostaria de morar lá por um tempo, por quanto tempo posso ficar? Sem ter problema? Poderia pegar o visto como turista?

  22. Lu

    Olá Carla. Obrigada pela participação. O tempo que você poderá ficar vai depender do oficial de imigração no porto de entrada, tudo depende de quanto tempo ele/a te dará. Como assim sem ter problema? Problema com o quê? Não entendi… Pegar que visto? Você quer dizer trocar de visto? Para o L1, que é o visto do artigo não. O L1 é para quem trabalha dentro de multinacionais no Brasil e é transferido para cá. Ou seja, você tem que estar trabalhando numa multinacional aí. E se não me engano só dá para trocar o visto de turismo pelo de estudante mas com nenhum dos dois se pode trabalhar aqui.

    Recomendo que você leia o site do consulado americano no Brasil (em português) para ver as diferenças dos vistos disponíveis e escolher o melhor para seus objetivos dentro dos EUA. Sucesso!

  23. Ana

    Me pareceu bastante desvantajoso os EUA no que se refere a alguns aspectos das leis trabalhistas, mulheres não tem direito legal a licença maternidade e podem ter os dias descontados quando vai ter o filho(?!!- nem em alguns países de terceiro mundo é assim!), férias de 5 dias no primeiro ano e dai pra frente 10 dias, trabalho full time(ou seja quem é nível superior deve levar muita preocupação pra casa e deve ter muito “aperreio” nos fins de semana e deve ter de trabalhar em feriados, será que isso compensa um bom salário?), a aposentadoria NUNCA é integral, trabalhe o tempo que for, para isso tem de contribuir pra uma previdência complementar que é algo incerto uma vez que muitas vezes os títulos estão atrelados a bolsa de valores. Dentro disso vi que seria mais vantajoso alguém que consiga uma transferência em uma multinacional, pois, pelo que entendi, manteria os direitos da legislação brasileira(lic.maternidade, décimo, 30 dias de férias), daí sim, poderia desfrutar das vantagens desse país, porque, ao meu ver, com essa legislação, só quem não precisa trabalhar, crianças, adolescentes e jovens com pais que possam mantê-los, desfrutam das “vantagens” do país.
    Agora tenho uma dúvida de “conhecimentos gerais”, rss , com a facilidade de comprar carro aí, como anda a qualidade do ar? Ou a maioria dos carros é movido a gás natural e não se é perceptível a poluição por combustíveis fosséis?

    Parabenizo sua iniciativa de mostrar como é a vida nesse país, em vários aspectos e com essas entrevistas e relatos de brasileiros morando lá, nesse brilhante blog.

  24. Lu

    Muito obrigada pelo comentário Ana, sim, infelizmente tem o lado ruim aqui e certas coisas que deveriam mudar ou ser melhoradas, como o que você citou. Se você quer saber da situação do ar que respiramos, te passo este link: Air Now, nele você pode monitorar a qualidade do ar em todo o país.

  25. Wagner Leão da Silva

    Olá Lu tudo bem,

    Eu sou um L1B, estou a trabalho em Melbourne na Florida, gostaria de saber se eu tenho possibilidade de adquirir meu Green Card ou teria de buscar um sponsor para migrar meu visto para outra categoria que me possibilite tal situação… Eu já tirei todos meus documentos americanos, mas ainda estou sem respostas sobre a possibilidade de permanecer como residente.

  26. Lu

    Olá Wagner, recomendo que você procure um advogado para se informar melhor se há a possibilidade no seu caso de trocar o visto para outra empresa que esteja daí interessada em patrocinar o green card para você. Tem empresas que não querem patrocinar o processo também. Aqui algumas dicas de como contatar e contratar advogados de imigração nos EUA.Sucesso!

Faça parte da conversa: