Cultura Americana, Curiosidades

Tentando Entender Os Americanos

Há muitas palavras emprestadas que fazem parte do vocabulário do dia a dia nos Estados Unidos. Muitas delas são usadas na cozinha mas se você pensa que americanos vão te entender quando você pronunciar esses termos muito se engana (parece que pronunciamos os termos bem mais próximos do original que eles, você vai ver loguinho).

Vou dar um exemplo, uma vez um americano me disse al dente e sinceramente não entendi o que ele disse por causa da pronúncia. Isso fez ele começar a me explicar o que al dente significa.

Nessas horas você não sabe o que fazer, mesmo por que tentar convencê-los que eles não estão pronunciando a palavra da maneira certa seria uma queda de braço sem fim.

Mas considero isso tudo interessante por que me parece que enquanto brasileiros tentam em sua maioria falar empréstimos do jeito mais similar que o original possível e quando possível (exceto talvez os alemães, poloneses e outros) nos EUA, eles são pronunciados de tudo que é jeito, menos a versão mais parecida com o original e alguns ainda insistem que estão certos e ai de você se tentar corrigi-los 😀

Tive experiências similares (dessa vez eles não tentaram me explicar o que era tal palavra e somente corrigir minha pronúncia) ao falar karate, sashimi e sushi. Americanos dizem karate, devagarinho com ênfase no ra isso sem falar quanto o T sai como se fosse um R na pronúncia dos mais apressadinhos.

Eles também dizem sashími e súshi mas como você pode ver nos acentos que coloquei nas duas palavras com síbala tônicas diferentes. Algo me diz que nossas versões abrasileiradas são mais próximas do original. Sim, fui checar essas palavras em japonês online e estou certa 😛

Mas se você quer ver por si mesmo, coletei alguns vídeos sobre o assunto. Então se você está curioso para saber como americanos pronunciam empréstimos italianos usados na culinária veja aqui:

Suspeito que você também esteja curioso para saber como americanos “assassinam” a palavra açaí e outras:

E por último como eles “acabam” distorcendo termos franceses e tailandeses que confundem a muitos (dou um desconto pra eles, esses confundem até a gente):

Agora você pelo menos vai poder entender o que eles dizem mesmo quando pronunciam esses termos de maneira errada e aprender a falar errado para que eles te entendam de uma vez.

Ah, e lembre-se da próxima vez que conversar com um americano preste atenção na maneira que ele diz “sushi” 😉

Já passou por situações parecidas em relação à pronúncia de palavras estrangeiras nos Estados Unidos? Conte pra gente abaixo.

QUERO MORAR NOS EUA!

Gostou do post? Compartilhe!

15 comentários sobre “Tentando Entender Os Americanos

  1. Apesar da copa e jogo do Brasil/Alemanha hoje achei um tempinho pra ler seu post. Realmente, e acredite sou frugal em elogios, você esta cada vez melhor. Nunca prestei atencao com a pronuncia dessas palavras mas você esta coberta de razao e grata pelos vídeos.

  2. Kkkkkkkk. Tem uma propaganda aqui no Japão que o cara tenta corrigir uma americana quando ela está experimentando uma comida. Ela fala “ashi”(perna) e o cara fala que o correto é “aji”(sabor) ele fica falando aji e ela continua a repetir ashi. Muito engraçado…=D

  3. Olá Neusa,

    Que jogo, hein? My goodness! De nada. Muito obrigada pela passadinha por aqui e pela sua participação e insights sempre 😀

  4. Olá Erika,

    Muito obrigada pela participação. Tá vendo, os japoneses também sofrem (e se divertem) com o sotaque de americanos tentanto falar o idioma deles rsrs

  5. Nossa muito bom esse blog ;-). Continue assim.

    Tenho uma pergunta… Você saberia dizer por que raios os americanos fazem questão de se afastar de seus familiares? É o que mais se vê nos filmes, documentários e etc. Irmãos que conviveram juntos uma vida inteira, mal se cumprimentam e quando estão juntos parece que ficam se estranhando; o mesmo ocorre com OS PAIS, Esses então são tratados como seres de outro mundo. Raramente se vê um deles falando (bem) sobre família, e quando fala é só pra zoar e meter bronca. Tendência estranha à deles.

    Caso tenham a resposta por favor postem, isso é algo que com certeza intriga a muitos.

    Vlw, parabéns pelo blog 😉

  6. Olá Vitor,

    Muito obrigada pelo comentário. Muitas vezes americanos mudam por causa de trabalho ou estudos (como falei no artigo de mudanças de casas). Como uma pessoa que nasceu na Louisiana e vai estudar em Chicago e depois consegue um emprego mas tem que se mudar, por causa disso, para o Havaí, depois é promovido ou muda de emprego e tem que ir para Nova Iorque. Isso explica a distância física entre familiares.

    Quanto à emocional, nem todos americanos são assim, conheço americanos que são até bem “grudados” com suas famílias, mesmo que morem sozinhos mas existe uma certa independência que pais americanos instigam em seus filhos que pode criar essa distância emocional e não se engane os pais instigam isso nas crianças justamente por que o espaço pessoal e tempo livre deles é importante. Então é algo que acontece dos dois lados, tanto dos pais quanto dos filhos. Quanto a zoação e etc, americanos são competitivos e é normal ver isso em reuniões de famílias.

  7. Falar errado termos de outras línguas é praxe, acho mais engraçado eles tentarem falar português, por exemplo, temos amigos no Oregon, ele americano, ela brasileira. Ele bem que tenta (e bem) falar português mas quando ela quer “sacanear” pede para ele dizer “Guilherme” – sai de tudo menos o certo. Sai, Guilerme, Jilerme, trava no meio da palavra….kkkkk é muito bom vê-lo sofrer, dizemos a ele que é a vingança pelo TH ……rs
    Duarte

  8. No começo sim, Duarte mas há sotaques (como o americano) que sempre atrapalham na pronúncia de palavras estrageiras incluindo as portuguesas. Há sotaques de certas regiões brasileiras que também fazem com que a pronúncia em inglês fique bem mais difícil. Rafael e João são outros nomes masculinos que eles não conseguem falar direito. A palavra milhão também, praticamente tudo com o ão. Obrigada por participar.

  9. oi Lu
    meu nome é Leonardo sou brasileiro moro no rio grande do sul, etinia gaúcho, qual a incidência de gaúchos por ai? tenho curiosidade e sempre tive um desejo de ir conhecer, mas tenho receio de gostar, acho mais obvio, venho lendo os mais variados assuntos abordados estou empolgado com tudo isso e muita informação.
    gostaria se possível que você respondesse sobre meu caso; sou brasileiro e tenho nascionalidade uruguaia e falo em espanhol seria isso alguma vantagem? tenho mais chances futuramente se por ventura querer viajar para américa com passaporte uruguaio ou brasileiro?
    o assuntos são muito legais estou adorando, parabéns
    aguardo seu retorno. grande abraco

  10. Ola tche,

    Qual a incidencia de gauchos aqui? Hmmm aqui em casa tem uma. Eu 😀 imigrantes do Sul do Brasil sao relativamente menores em numero aqui. A incidencia maior e de mineiros. Dizem inclusive que foram os brasileiros que descobriram a Ameica primeiro, digo, foram os mineiros que descobriram a imigracao para a America rsrs Espanhol ajuda sim, especialmente dependo do estado americano onde voce vai ficar, aqui na Florida ajuda muito mas nem por isso voce deve deixar de aprender ingles. Quanto ao uso do passaporte uruguaio nao sei quais as regras para ele, voce tem que se informar sobre isso no consulado americano no Uruguai.

    Obrigada por acompanhar o blog e volte sempre!

  11. mesmo?? hehehe tri legal, mas bhaa…
    tchê

    que legal, minha conterrânea; seria muito deselegante te perguntar? de qual cidade ou região do rio grande?
    fiquei muito FELIZ por sua resposta.. parabéns por sua(s) atitude(s)
    OBRIGADO.

Faça parte da conversa: