Os Desafios De Criar Filhos Nos EUA

criar filhos nos EUA

Já parou para pensar como seria criar seus filhos nos Estados Unidos? Veja algumas das vantagens e desvantagens de fazer isso a seguir:

Quais as vantagens de criar filhos nos EUA?

  • * Seu filho será bilíngue, isso quando ele não for trilíngue dependendo de onde vocês moram e dos idiomas que são bastante usados na área. 
  • * Seu filho terá uma cabeça mais aberta em relação a outras culturas do que outras crianças americanas já que teve que lidar com duas (dependendo da origem da família do seu marido americano) ou mais culturas desde pequeno. Ele provavelmente será mais tolerante de outras culturas e outras diferenças entre pessoas, o que é ótimo.
  • * Ele ou ele será mais independente desde pequenos, por que assim que eles são treinados na escola, para se virarem e serem educadíssimos desde o jardim de infância.
  • * Muitas doenças estão “sob controle” aqui, o que significa que seus filhos tem menos probabilidade de pegarem alguma doença séria. Claro que há alguns pais americanos que não acreditam em vacinas… mas isso é assunto para outro post.
  • * A segurança.

E as desvantagens?

  • * Ter filhos e criá-los aqui é caro. Segundo uma estimativa da USDA, uma família de classe média americana gastará em média mais de 241 mil dólares para criar uma criança até ela completar 18 anos de idade e os custos da universidade dela não estão incluídos nesse cálculo. Só no primeiro ano de vida do bebê, pais gastam em torno de 12 mil dólares. Uma família com menos renda gastará em torno de 212 mil e uma família de classe alta tudo isso sai por 490 mil dólares.
  • * O custo de creches nos EUA (e muitos casais trabalham e não tem com quem deixar os pequenos) giram em torno de mil dólares por mês. Uma baby-sitter, média de 400 dólares por semana.  Vá colocando mais itens na lista e a coisa fica cara.
  • Seu filho pode facilmente  ficar mimado com a qualidade de vida disponível por aqui. Mas isso certamente pode acontecer se ele crescer no Brasil também.
  • * Pode ser que ele ou ela não fale português perfeitamente, especialmente se eles vieram para cá muito pequenos e você não insistiu em ensiná-los nosso idioma. Mas isso não é o fim do mundo e depende tanto da vontade dos pais ensinarem quanto da força de vontade da criança.
  • * O sistema de ensino fundamental nos EUA é bem diferente do brasileiro em relação ao que as crianças podem ou não podem fazer, as exigências em são muitas e desde pequeninos e isso, na minha opinião, faz com que eles fiquem entediados da escola antes de chegar na segunda série.
  • * A mania de limpeza OCD de muita escolas (e dos pais aqui) também é ridícula e não evita que eles fiquem doentes de vez em quando. Ainda assim, o engraçado é que se você quer que seu filho fique doente é só mandá-lo para a escola. Há pais aqui que só faltam enrolar a criança em plástico bolha para protegê-la dos germes, das brincadeiras, das outras crianças e etc. Deixar a criança se sujar ao brincar então, imagina! Ela vai ficar doente! E encostar na criança dos outros? Nossa, para alguns pais isso é o fim do mundo.
  • * E dar umas palmadas quando eles aprontam? Só se você fizer isso longe do público.

Enfim, essas são algumas das vantagens e desvantagens de criar filhos nos Estados Unidos. Mora nos EUA, acha que outras vantagens e desvantagens deveriam ser incluídas na lista? Deixe seu comentário abaixo.

Veja 101 Dicas para quem quer morar nos EUA.

Gostou do Post? Compartilhe !

More about Lu

Brasileira casada com americano. Moro nos EUA há mais de uma década.

8 thoughts on “Os Desafios De Criar Filhos Nos EUA

  1. Bruno Leite

    Já vi que lá (EUA) é como cá.

    A única diferença pelo o que eu li do texto em relação ao que é aqui… foi sobre educar as crianças para serem mais independentes.

    É claro que deve-se sentir isso no dia-a-dia. Conviver com isso de perto pra sentir como é. O texto é válido, mas acredito que vivenciar isso (experiência prática) é muito mais do que as palavras podem dizer.

  2. Mateus Silva (@Massuncaos)

    Muito bom o texto,sempre quis saber sobre isso mesmo,muito obrigado!

  3. André

    Eu acho que isso tudo é muito relativo. Educação da escola no Brasil só particular, pois 90% dos colégios públicos estão em péssimas condições, então isso é uma grande vantagem dos EUA, além de que eles te incentivam a aprender outras coisas além de saber escrever e fazer contas, hábito péssimo do brasileiro.
    Sobre a educação em casa isso vai de cada família e do que ela acredita, então não há diferença entre os países.
    Sobre falar português eu realmente não vejo a necessidade, só uns 6 países falam essa língua.
    Em relação a higiene isso varia de lugar pra lugar, e está diretamente ligado a mídia. Se o jornal falar que tem um surto de piolho em tal cidade, o que podemos fazer pra dizer que é mentira ?
    Pra mim o mais importante sempre será a educação. Aqui não dá pra andar sem ter medo na rua. Se não for por assalto, é por medo de ser atropelado, então nisso os EUA estão bem a frente do Brasil. Aqui o pedestre fica em último lugar.

  4. Rosa Maria Salgado

    Sabe que não conseguí ver as desvantagens?

  5. Tiago Porto

    Eu não consegui ver as desvantagens como desvantagens. Acho que a único desvantagem que eu imaginei foi justamente a que não foi citada.
    Criar um filho nos USA, mesmo os dois pais sendo brasileiros, inevitavelmente os filhos ficam longe da cultura, do dia a dia do Brasil, Imagino uma criança criada nos USA chegando adolescente pra passar férias na casa dos avós. Além do português que ele terá uma certa dificuldade, porque assim como foi citado já que o inglês que se aprende no dia a dia não é o mesmo que se aprende estudando, então, esse adolescente iria ficar “boiando” como dizem aqui e ele literalmente se ouvisse essa expressão “vc está boiando” das pessoas aqui ele iria pensar “Como estou boiando se não estou nadando agora”. Coisas assim, gírias, como a daqui de Minas, o nosso “Uai” uma criança criada aí chegando em Minas não entenderia porque as pessoas tem a todo momento que perguntar “Why?” os porquês dos nada!
    Isso sem falar na falta de amigos que não teria aqui, por não conviver com pessoas, talvez teria somente a amizade de primos brasileiros, se tiver primos.
    Resumindo, a única desvantagem que vejo ao criar filhos nos USA é que assim os cria longe do restante da família que está no Brasil, e longe da nossa cultura o que deixa essa criança cada vez mais distante da nossa realidade cultural.

  6. Lorraine Rocha

    Oi, Lu!
    Adorei esse post! Ainda não tenho filhos, mas amo de paixão crianças; eu queria saber se é muito dificil para brasileiras conseguirem trabalho como baby-sister ai, e se brasileira pode adotar criança americana, ou como é a burocracia para adoção ai?!

  7. carla

    Tenho varias amigas q criaram os filhod ai. A filha de uma depois q aprendeu ingles, nao queria falar pt nem a pau. E ate hj ela tem um dificuldade horrivel. A mae se vira, compra revistinha da monica, fala em ingles. Mas nao tem jeito. A outra q tinha dois filhos ai, depois q ele aprenderam ingles, nao queria falar em pt e pior tinha vergonha da mae pq falava em pt. Meu namorado tb eh brasileiro e foi criado la e tb morria de vergonha da mae dele ser diferente e falar pt com ele. E ele se recusava a falar pt. O filho de outra amiga minha nao quer comer comida brasileira e assim como meu namorado. Nao aceita aquela coisa de comer arroz e feijao todo dia. Pro meu namorado comer arroz todo dia eh coisa de chines e pra mim hambuguer com batata frita nao eh um jantar. Eh um snack da semana. Complicado. Eu falei pra minha sobrinha q nao tem como ela criar ai e obrigando o menino comer comida brasileira todo dia como nós. Outra coisa muito diferente dai pra ca. É o “its not your bussines”. Vc tem q respeitar o espaço do adolescente. Eh mto mais solto o negocio ai. Eu tenho 33 anos e moro com a minha mae. E se eu for sair eu digo pra onde eu vou e se eu nao digo, ela pergunta e eu falo na boa. Ai os meninos com 17 anos nao dao mais satisfaçao de nada. Alias depois q tiram a carteira parece q sao outras pessoas. A filha do meu namorado eh assim. E ele super respeita. So pq ela trabalha. Sei nao. Muito medo de criar meus filhos ai. E outra coisa q tenho medo eh q eles nao gostem de musica brasileira. Pq adoro gil, caetano, cazuza, legiao. Tem mta coisa boa q nao queria q meus filhos perdessem.

  8. Lu

    Olá Carla,

    Obrigada pela participação. Sim, criar filhos aqui tem suas dificuldades mas tem suas vantagens. Quanto a “Nao aceita aquela coisa de comer arroz e feijao todo dia.” Eu não como mais arroz e feijão todo dia e não vou morrer por causa disso e sai do Brasil adulta rsrs Aqui a alimentação é diferente.

    Acho que devemos introduzir alguns pratos brasileiros na dieta das crianças e do marido americano ou hispânico (se esse for o caso) também mas não é obrigatório que só por que a criança é filho de brasileiros tenha que comer comida brasileira todo dia.

    Não tem nada de ruim dela comer um pouco de tudo, incluindo alguns pratos brasileiros. Assim ela aprenderá a comer comidas de outros países também. Ainda não conheci americanos que comam burgers e batatas fritas todos os dias em todas refeições, claro que deve existir desses por aí mas comida americana, especialmente a feita em casa, não é só MC and D’s e cia ltda. A culinária americana é tão variada quanto a brasileira e falei sobre isso em diversos posts pelo blog.

    Gostar de música brasileira? Não acho ruim que meus filhos não curtam isso. Essa é uma coisa mais geracional, dificilmente seus filhos vão gostar dos mesmos artistas que você, mesmo se eles ouvirem música no mesmo idioma eles ainda assim vão gostar das músicas da época deles. É que nem um americano maduro que gosta de jazz e um jovenzinho que gosta de rock alternativo ou de house. Um não costuma entender o outro. Ou um baby boomer que gosta de Paul McCartney e um millenial que nem sabe quem ele é.

    Quanto aos jovens independentes, eles são criados assim desde pequenos, se você cria eles “a la brasileira” isso tende a ocorrer menos. Outra coisa que influência é a idade, filhos tendem a ajudar mais e a ficar mais próximos da família conforme vão amadurecendo. Adolescentes e “young adults” em nenhum país (alvez exceto os asiáticos pois segundo a cultura deles, eles não tem muita escolha mesmo rsrs) querem saber de ficar grudados com os pais. Aborrecência por esse e outros motivos.

Faça parte da conversa: