Para imigrantes

Quem Vai Ao EUA, Faz Como Os Americanos

watch
By Inju  via flickr  (CC BY-NC-SA 2.0)

Medo e/ou vergonha de reclamar:

Quando moramos no Brasil somos acostumados a não pedir por aquilo que sabemos que é nosso direito (às vezes sequer sabemos o que é nosso direito), não sabemos reclamar e mesmo quando o fazemos não temos o “back up” de outras pessoas na nossa situação e/ou encaramos a falta de preocupação e daqueles em posições de autoridade. Então ao morar nos EUA aprendemos a procurar saber qual nossos direitos e deveres e lutar pelos mesmos.

Americanos não tem vergonha ou receio de abrir a boca e colocá-la no trombone. Aprenda com eles.

Falta de pontualidade/organização:

Chegar atrasado na sua entrevista de emprego nos Estados Unidos, por exemplo, não é uma boa escolha. Que tipo de impressão você passará para o futuro empregador se no primeiro dia chegar atrasado?

Outros exemplos disso ocorrem no dia-a-dia mesmo e não necessariamente no ambiente de trabalho, quando um brazuca diz que vai encontrar seu amigo às duas e chega meia ou uma hora atrasado e sequer liga para informá-lo sobre isso ou sequer aparece (que amigo não?)

Já percebi que há aqueles que fazem isso por medo de ligar para dizer que vai chegar atrasado e etc (parece que essa mania acontece bastante no Brasil também) e serem repreendidos pelos outros, mas cá entre nós… não é preferível falar que não tem como aparecer e/ou encontrar tal pessoa do que fazer ela esperar?

Como eles dizem por essas bandas, ela tem outras coisas (melhores) para fazer. Seu conhecido vai ficar mais irritado se você fizer ele perder meia ou uma hora do dia dele ou se você informá-lo que não poderá aparecer no horário marcado?

Nos EUA as pessoas vêem isso com maus olhos justamente por que eles entendem que todo mundo tem uma agenda cheia de coisas para fazer e não pode se dar ao luxo de esperar por uma pessoa que faz esse tipo de coisa.

Además isso mostra falta de consistência por parte da pessoa e se ela quiser apoio (e digo nos mais diferentes tipos de situações) dos demais aqui, ela precisa mostrar que é consistente naquilo que faz.

Falta de profissionalismo:

Outra coisa que percebemos é que americanos são mais formais no ambiente de trabalho na maneira de como eles tratam seus superiores e clientes (porém não no caso de pessoas com o mesmo cargo). E que no Brasil ficamos bem mais à vontade com esses tipos de pessoas quando na verdade deveríamos passar uma imagem mais profissional.

Até alguns brazucas que trabalham aqui e/ou querem fazer negócios com pessoas daqui pensam que esse “approach” é bem vindo, mas o tiro sai pela culatra e depois eles ainda imaginam por que as coisas não deram certo.

Quando você trata seus clientes e/ou superiores (ou se você for chefe, seus empregados) como amigos, advinha o que acontece? Falta de respeito, de profissionalismo e ninguém faz o que deveria dentro do escritório/fábrica e etc. Praticamente a casa da mãe Joana.

Por isso que aqui o mantra (conhecido no Brasil mas raramente seguido) é negócios, negócios… amigos à parte.

Outro detalhe é que profissionais brasileiros costumam dar rodeios ao invés de ir direto ao ponto,  nos EUA se aprende que se alguém te perguntou tal e tal, você tem que dar uma resposta concisa que responda a tal e tal e não que conte como você fez para lidar e/ou criar tal e tal.

Como dizem aqui, tempo é dinheiro. Então não faça seu chefe perder tempo com rodeios. Americanos estão sempre com pressa e se você quer que eles te ouçam você tem que ir direto ao ponto.

Você pode até não gostar disso mas é assim que as coisas funcionam por aqui e é melhor se acostumar com isso.

Responsabilidade:

Da mesma forma que comentamos sobre correr atrás dos seus direitos no primeiro parágrafo desse texto, não podemos nos esquecer dos deveres.

Uma das coisas que mais “adorava” no Brasil é a falta de responsabilidade que certas pessoas tinham e a “seriedade” com a qual elas levavam seu trabalho a sério (alguns deles cargos importantes). Nos EUA se você é responsável por determinada área de conhecimento, é bom você saber do que está falando e saber o que está fazendo.

Não tem dessa de enrolar para que alguém molhe sua mão (coisa que infelizmente acontece corriqueiramente no Brasil) ou por falta de vontade de trabalhar mesmo. Aqui é responsabilidade e produtividade acima de tudo.

Reclamar, reclamar e não fazer nada a respeito da coisa.

Como sabemos que as coisas jamais mudam no Brasil, a gente reclama, reclama e reclama, aponta e aponta o dedo e advinha? Nada que muda o problema para a melhor acontece. Por que será?

A falta de iniciativa e de colocar idéias em prática para mudar a situação. Outra coisa pela qual americanos são conhecidos é a vontade de dar jeito em problemas, inventar soluções para problemas comuns do cotidiano. Isso é algo muito admirado e respeitado tanto no ambiente de trabalho quando na área pessoal por aqui.

Eles não só reclamam, eles encontram soluções e as colocam em prática, eles sempre estão procurando uma forma de melhorar as coisas ao seu redor e assim tudo vai para a frente.

Você pode até não gostar do que descrevi acima mas se quer morar nos Estados Unidos mesmo, essas são manias brasileiras que interessados têm que mudar por vontade própria ou o ambiente se dará conta da mudança e essa última alternativa não é a mais fácil.

[box title=”Quer morar e/ou se adaptar nos EUA?” color=”#f00″] Veja as dicas da Lu: 101 Dicas Para Quem Quer Morar Nos EUA [/box]

Gostou Desse Post? Compartilhe Com Seus Amigos!

6 comentários sobre “Quem Vai Ao EUA, Faz Como Os Americanos

  1. oi lu ! Só um aparte. Por incrivel que pareça as coisas no Brasil estão cada vez piores. Quem tenta fazer as coisas certas é sinônimo de tonto.Eu sou professora e infelizmente noto que as crianças estão com os modos cada vez piores.Quando li o post fiquei até emocionada e pensei “Meu Deus” como será que é viver num país em que todos se respeitam. Deve ser maravilhoso.

  2. Outra coisa que é mania de muitos brasileiros é dirigir sem respeitar as leis de trânsito. Eu moro na cidade de São Paulo, Capital. Aqui, há muitos motoristas mal-educados, muitos motoqueiros que “costuram” no trânsito, muitas pessoas que brigam no trânsito, muito assassinato nas ruas, desrespeito com o pedestre (gerando atropelamentos), palavrões, ameaças, mostram o dedo do meio, etc. Eu comecei a dirigir há 5 meses e já vi muito de tudo isso. E esses exemplos são apenas do comportamento no trânsito. Vou te contar sobre o comportamento no transporte público: as pessoas empurram umas as outras para entrar no trem (algumas chegam a se machucar), outras empurram com os cotovelos para machucar. Há outras situações que o comportamento das pessoas são ainda piores, onde você não pode olhar para a pessoa por mais de 2 segundos que essa pessoa pode te dar um tiro. Isso é comportamento de uns 70% dos brasileiros. Todas essas coisas que eu falei são praticadas por mais de 80% dos brasileiros pelo menos uma vez na vida. Lu, será que esses comportamentos seriam aceitos nos países ricos, em especial nos Estados Unidos, onde as pessoas são educadas (no geral) e têm leis que punem pessoas como as que eu citei? Aguardo resposta, Obrigado. O meu sonho é conhecer os Estados Unidos.

  3. Oi lu!Conheci seu blog, bem interessante!Bom , tenho 15 anos , e Já fui pros EUA 2 vezes, agora estou nessa segunda , já tenho 1 mês aqui e estou estudando.Vou ficar 6 meses, pois estou com visto de turista.Moro em Winter Park na flórida.Chegando ao ponto, queria saber o que eu poderia fazer pra futuramente morar aqui.

  4. Meu Deus, mas os japoneses sao exatamente assim. Moro no japao há mais de 10 e eles nao toleram essas manias desrespeitosas as quais muitos brasileiros possuem. Para ser bem sincera, eu mesma nao suporto. Sinto muita vergonha alheia! Como dizi minha mae: respeito eh bom e cabe em qualquer lugar^^

  5. Vocês ainda nao viram nada, eu moro no maranhao onde 75% dos maranhnses em maioria ,andam armados com facas e que basta nao irem com sua cara e o negócio ja fede pro seu lado .
    Mas o custo de vida aqui é bem baixo e as oportunidades de empregosao bem elevadas principalmente nas áres industriais, enfim, o caso da educação cotidiana ou no transito, quase em todos os lugares do Brasil é basicamente igual, más é só usar aquele velho jeitinho brasileiro e as coisas vao a conformes. ((( até a proxima(((

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *