Para imigrantes

O Que Vai Acontecer Contigo Ao Trabalhar Em Empresas Americanas

Cada país possui suas leis em relação ao processo trabalhista e além disso há também regras de etiqueta que devem ser seguidas no ambiente de trabalho.

O mesmo ocorre dentro de empresas americanas e embora as políticas de cada uma delas possa diferir um pouco umas das outras, há certas normas que costumam ser usadas pela sua maioria e é aconselhável que empregados siguam as mesmas à risca. Conheça algumas delas abaixo:

Tipos de empregados:

Há basicamente três tipos de empregados mais comuns nos Estados Unidos e eles são os full time (funcionários de expediente integral), part-time ( aqueles de meio expediente) e temporary (como o nome já diz os trabalhadores temporários).

Os primeiros trabalham 40 horas semanais, os part-time trabalham menos que 32 horas por semana e os últimos possuem um horário mais caótico, para dizer o mínimo.

Sobre horas extras:

Em algumas profissões as horas extras são pagas, já em outras o mesmo não ocorre. De qualquer maneira você será informado do seu caso na hora da entrevista de emprego.

Horário de serviço:

Geralmente das 9 às 5, porém outros horários são possíveis, tal qual o das 10 às 10 ou das 8 às 10, entre outros.

Pagamento:

Feito bi-semanalmente ou uma vez por semana dependendo da política da compania em questão.

Seguro de saúde:

Após os meses de treinamento e observação (os primeiros 90 dias), o contratado pode adquirir os planos de saúde oferecidos pela empresa, embora isso não seja obrigatório.

Equal Employment Oportunity:

Empresas americanas não podem discriminar candidatos de acordo com cor, raça, classe social, sexo, religião, idade, estado civil, possíveis deficiências físicas e país de origem entre outras coisas.

Isso tudo é chamado de Equal Employment Opportunity e é  protegido pelas leis e qualquer indivíduo que se sinta lesado por causa desses tipos de discriminação pode protestar contra o mesmo.

Excelente atendimento ao consumidor é o máximo:

Como já falamos em posts anteriores, se há algo que funciona aqui nos EUA é o serviço do atendimento ao consumidor. E não é de espantar que isso ocorra, já que companias treinam seus empregados tendo em mente o mantra de que os clientes da mesma são tudo e praticamente sempre têm razão.

Inclusive, saber desse pequeno detalhe pode te ajudar e muito quando se deseja fazer compras por aqui.

Todo cuidado é pouco durante os primeiros três meses:

Durante esse período o candidato que conseguiu a vaga está sendo avaliado pela empresa que a ofereceu. Ele não terá benefícios nesses três meses e pode ser despedido a qualquer momento sem direito a seguro desemprego por tal.

Nepotismo não é recomendável:

Trabalhar com seus parentes pode até parecer uma ótima idéia para alguns, mas essa prática é desencorajada na maioria das empresas americanas.

Quebrar as regras tem seu preço:

Quebre as regras em certas empresas e você terá que pagar uma pequena multa por fazê-lo. Para evitar coisas do tipo pode-se saber das regras no manual do empregado que é dado para recém contratados.

Mas obviamente há certas vantagens dependendo do local onde se trabalha já que  companias oferecem diversas amenidades e benefícios para seus empregados. Portanto as regras existem, assim como os benefícios.

Você já trabalhou nos Estados Unidos ou gostaria de falar mais sobre o assunto? Então deixe seu comentário abaixo.

Gostou Desse Post? Compartilhe Com Seus Amigos!

7 comentários sobre “O Que Vai Acontecer Contigo Ao Trabalhar Em Empresas Americanas

  1. Legal o post. Esse tema sempre rende bastante…
    Um dos principais problemas nos Estados Unidos é a falta de leis trabalhistas (problema da perspectiva do empregado)
    Algums pontos interessantes:
    – Na maioria dos estados não há lei de licensa maternidade remunerada. Algumas empresas dão 2 semanas, outras 3, outras não dão nada (vc pode tirar ferias não remuneradas se quiser, isso em geral tem na lei). Tb não tem licensa paternidade (1 semana no Brasil)
    – Os EUA são o único país de primeiro mundo que não tem férias remuneradas na lei, novamente, vai da empresa
    – Nada de aviso prévio: vc pode pedir demissão e ser mandado embora de um dia pro outro. (as vezes contratos temporários tem multas estabelecidas)

  2. Ricardo,

    Obrigada por complementar o post. Suas informacoes sao muito interessantes.

    Abcs
    Lu

  3. Olá! Vocês conhecem empregadores brasileiros/americanos que contratam temporiamente, e no final do ano?

    Estou indo fazer intercâmbio em dezembro, 3 meses trabalhando nos EUA (visto j1,tudo dentro da lei), mediado por uma agência. Além dos empregos que a agência oferece para nos candidatarmos, estou tentando por fora (o que é permitido, e aumenta a chance de conseguir uma região que eu prefira)…

    Se tiverem dicas, por favor… Obrigado !!! parabéns pelo site! visito frequentemente !

    se tiver algum lugar aqui no site onde eu possa postar esta questão para que mais pessoas vejam,… obrigado !!

  4. Lu, primeiro parabens pelo blog, sinceramente depois de ler varios posts seus, me deu uma baita vontade de me mandar daqui e morar nos States, eu acho que isso vai ser meio impossivel, pelo menos a curto prazo, (20 anos pelo menos hahaha) mas enfim, queria saber se seria possivel uma pessoa encontrar uma vaga de emprego nos EUA, e a empresa ou estabelecimento mesmo de longe querer contratar ela(sei que é impossivel mas sonhar não custa nada hahaha), ela vai conseguir visto de trabalho pra se mudar?

    Obrigado!

  5. Ramon,

    Obrigada pelo comentário. Tudo é possível e há vários tipos de vistos de trabalho. Se um empregador americano busca um profissinal estrangeiro e você se encaixa nos requerimentos que ele busca, há chances, sim.

  6. Eu tenho apenas o visto de turista, se eu quiser ir morar e trabalhar nos EUA, começar uma nova vida, isso é possível sem a obrigatoriedade de ser casado com uma americana? Como funciona?

  7. Elton,

    Voce nao e obrigado a se casar com nenhuma americana, somente e obrigado a ter um visto que te de permissao para trabalhar e morar aqui.

Faça parte da conversa: